sexta-feira, 14 de dezembro de 2007

Gol contra


Bem, a viagem de Petrolina para Maceió foi um desastre perfeito.
Saímos do hotel de Petrolina ao meio-dia e meia, e embarcamos sem problemas num avião da Ocean Air, com destino a Salvador. O sanduíche que serviram no avião estava quente e bom, uma verdadeira raridade, já que atualmente em vôos curtos costumam oferecer apenas as detestáveis barrinhas de cereais.

Ao chegarmos a Salvador, às 15hs, percebemos que as malas já estavam na esteira antes mesmo de nós termos chegado na sala de desembarque. So far, so good.
Com tal início promissor, fomos todos animados para a fila de check-in da Gol (simplesmente gigantesca!), para nos livrarmos das malas e da espineta e podermos usar as 9 horas que teríamos entre os dois vôos em algo de útil ou pelo menos de divertido. Depois de um tempão na fila, descobrimos que o check-in só poderia ser feito depois das 20 horas. Nada de passeio para nós. Quem manda viajar, também! Bem feito, agora teríamos que passar as 9 horas de castigo no aeroporto, mesmo.
Demos quinhentas voltas pelos corredores, conhecemos a fundo todas as lojinhas, jantamos, fomos trezentas vezes ao banheiro...e às 9 da noite voltamos para a fila da Gol.
Ao chegar a nossa vez, uma surpresa desagradabilíssima: a Gol não aceitou levar a nossa espineta! Como não é uma mala, eles não levam. Aliás, o pessoal da Gol tem a orientação expressa de considerar todos os instrumentos musicais como CARGA!!!!!!!!!!
Bem, então vamos remeter como carga. Ah, mas para isso precisaríamos ir para outro local, que é onde se remetem as cargas da Gol. Não outro local no mesmo prédio... mas outro terminal, bem longe do aeroporto. E, sem uma van, não tínhamos nenhuma maneira de chegar a este outro local carregando o case da espineta, que mede 2 metros! Enquanto eu ficava de babá das malas, Mário, Helder e Sula tentaram argumentar, implorar, rodar a baiana, chegaram a chamar o pessoal da ANAC, mas nada funcionou. Ficamos totalmente perplexos: como poderíamos viajar, se não podíamos nem levar a espineta, nem deixá-la no aeroporto? Se ficar o bicho come, se correr o bicho pega.
Por sorte Sula descobriu, do lado de fora do aeroporto, uma empresa de guarda volumes. “Internamos” a espineta lá, e embarcamos – sem nosso instrumento – para Maceió. Em Maceió, teríamos que arranjar um teclado qualquer para a Sula tentar substituir a espineta. Ou então, como forma de protesto, ela poderia sentar no palco e fazer mímica...
Mas a epopéia ainda não havia acabado: o vôo da Gol atrasou 2 horas.
Chegamos em Maceió, portanto, depois das 3 horas da matina, exaustos, com fome, irritados... e sem espineta!
Para combinar com uma viagem tão miserável, ao descermos do avião, fomos atacados por um cheiro insuportável que infestava o aeroporto inteiro. Cheiro de quê? Bem... ahan...hmmmm.... daquilo mesmo que vocês estão pensando. O Honório, simpaticíssimo motorista que foi nos pegar, nos explicou que o odor característico é exalado por um produto usado nas usinas de cana, que são pertinho do aeroporto....

13 comentários:

Matilda Penna disse...

Ah! Produto das usinas de cana!
Se você não esclarece eu ia seguir pensando que era 'ôdirrenã', ou cheiro de curral de boiada fantasma, enfim, agora já sei, é um produto usado nas usinas!
Bom, espero que dê tempo de ver o mar azul de Pajussara para compensar tudo isso.
Nove horas no Dois de Julho? Isso que é Gol contra, fez uma tarde linda em Salvador ontem...
Enfim, se a espineta ficar falando 'colé de mermo, simpatia?' não estranhe, sotaque às vezes pega que só vendo...

Mario disse...

bem, lá venho eu de novo, lá de baixo, lá de Triunfo, passando pelo resto todo. O que salta a vista é mesmo o descaso com o turismo no Brasil, com tanta coisa bonita e fantástica para se ver e curtir. Criar uma oportunidade de trabalho em turismo custa uma ninharia perto do que custa criar um posto de trabalho numa refinaria, mas a miopia só vê o gordo retorno para alguns poucos, ao invés de enxergar que o turismo poderia ser a chave para a nossa viabilidade social a longo prazo mas começando já. Quanto a mais uma odisséia de viagem, só resta o consolo de que não é nada pessoal, isto está acontecendo com todos, é o reflexo, a cara do nosso país. Como me ensinou D. Cora, Ex capite foetet piscis - o peixe começa a feder pela cabeça. Quando lá em cima está tudo fedido (não é erro de digitação)significa que estamos f.... Por fim, este blog está delicioso, acho que vou re-fazer a viagem todinha com a Sula tão logo ela retorne (virtualmente). As fotos todas aí do sertão estão maravilhosas. Triunfo então, nem se fala. Mais uma vez, parabéns pelo Blog e parabéns a vocês todos por participarem de um projeto tão importante, apesar de todas as dificuldades e conspirações contra. Bola preta (será que alguém ainda entende?) para a GOL, linhas aéreas pelo visto não tão inteligentes e muito prepotentes. Vão perder os clientes. Ao menos alguns já perderam. Tenho um faro bom para isto: Mesbla, Varig e outras, todas cheias de si e fazendo pouco dos clientes. Do jeito que vai a GOL chega lá também.

Mario disse...

ERRATA!!! Como me ensinou D. Nora!

Bia Rónai disse...

Por essas e por outras que ODEIO a Gol!

Boa Idéia disse...

Com tantas viagens para tantos lugares, até que vocês têm dado sorte. Pela leitura diária, constatamos ter sido uma exceção.
De positivo, pelo tamanho e complexidade do tour, vocês poderiam ter que reescrever A Odisséia.

Matilda Penna disse...

Olha, voltei aqui porque me contaram que viram uma espineta espevitada lá no Negra Jhô fazendo trança de raiz nas cordas enquanto comia um acarajé rebocado na pimenta, daí ela quando ela saiu na calçada viu um Timbau todo colorido passando, piscou as teclas (o amor é lindo), diz que foram em direção a Mata Escura dá uma passada no Bate-Folha, parece que combinaram irem também na Praça da Cruz hoje de noite, tem movimento do Muzenza lá, ouvi que o Timbau toca no Muzenza, deve ser de verdade porque ela cantarolava "não, não me abandone, não me desespere, porque eu não posso ficar sem você, eu não posso ficar, ficar sem você, porque eu não posso ficar, ficar sem te ver", enfim, ela já estava com o feltro pintado de vermelho, amarelo, preto e verde, com um contra-egum no braço, chamando o Timbau de Timba, mór intimidade, mas tudo bem, sem alarde, disseram que a espineta é muito dada, uma flor de pessoa, os pessoal tá cuidando bem dela!

Anônimo disse...

É apenas um registro da diversidade olfativa do espírito:
eu que fui criado chupando cana na zona da mata de Pernambuco, gosto muito do referido cheiro - da torta de cana, um composto orgânico de bagaço e vinhoto fermentados, usado como adubo.
Minha mulher, que é sertaneja, já não suporta.
(Daniel)

laura r. disse...

Daniel, tou com tua mullher e não abro!!!!!!!!

Layla disse...

nossa! fiquei horrorizada com a GOL! Que falta de sensibilidade, que falta de tudo... pelamordedeus... que barbaridade... que absurdo... estaria ofendendo os pobres burrinhos chamando o pessoal que trabalha lá de burros... mas que devem ser muito estúpidos, isso devem ser mesmo! Onde já se viu, não deixar embarcar um dos instrumentos de um grupo que está se apresentando tocando música!!!!!! Não estou encontrando as palavras adequadas para exprimir a minha indignação com um fato tão absurdo!
Se eu fosse rica, nunca viajaria pela gol, mas como sou classe média... às vezes a gente fica meio sem opção...
Mas que zigue-zague... voces passaram por cima de Maceió para voltar para lá... sair de Pernambuco para Salvador para voltar para Maceió! Absurdo! e levando tantas horas...
Tá vendo só o que é um país sem uma boa malha ferroviária? Se tivesse tudo direitinho como D.Pedro II tinha planejado, as linhas férreas evoluindo como evoluiram em outros países (nem preciso escrever quais...) voces teriam saído de Recife num trem que anda a uns 300 km/h e chegariam em Maceió com espineta e tudo em menos tempo que voces levaram nessa epopéia toda... mas estou delirando... sonhando como seria bom se... e infelizmente Brasil é Brasil, com GOL e tudo!!!
e com esta cambada impedindo que nosso amado país ande para a frente!

laura r. disse...

Layla, você tem toda razão. Matilda: :)
Ri muito com teu comentário!!!!

jaqueline martins disse...

Layla tem razão, D. Pedro II era um homem muito inteligente, à frente do seu tempo. Mandou plantar a floresta da Tijuca, num tempo onde não havia tecnologia nem pesquisa para isso. Hoje com todos os recursos, ninguém planta uma floresta. Malha ferroviária, é algo civilizado, que só os europeus e norte americanos entenderam. Nossa vida seria muito mais simples e nossas viagens muito mais baratas, se tivessémos uma malha ferroviária efeiciente. A Gol marcou o maior gol contra! Êta falda de eficiência! Credo!

Ana Maria (de Maceió) disse...

Ah! Laura, senti muito não ter ido ver vocês aqui em Maceió. Pelo Blog, você me conquistou! Assino outro jornal que anunciou a presença de vocês só no dia mesmo, e eu só li à noite, pois tivera um dia muito atarefado. Enfim, fica para outra oportunidade. Quanto ao cheiro no aeroporto, é como o o Anônimo explicou, são os resíduos da fabricação do açucar, dissolvidos em água e aspergidos pelo canavial para adubá-lo. Também morei em uma usina e detestava o cheiro, que meu marido adora! Mas é passageiro e quando penso que ele indica uma prática ecologicamente correta, acho suportável; pior seria se fossem jogados nos rios e lagoas, como já aconteceu em tempos passados.
Laura, parabéns pelo seu Blog. É a visão da surpresa do inusitado que você vem registrando, como os "tabuleiros" nas feirinhas interioranas, com uma mistura inacreditável de coisas díspares (como vidros de xarope deitados sobre os camarões secos no saco, rsrs!); aqueles vasos de plantas nos degraus de frente das casas, etc. Sem esquecer o valor turísticos dos lugares que vc registrou. Tudo maravilhoso! Parabéns. Cheguei aqui através do blog da Cora, e fiquei.

laura r. disse...

Puxa, Ana Maria, que pena que não deu para você vir ao concerto! Mas que bom que está nos visitando agora. Olha, adorei sua cidade. Muito linda, mesmo, me deu vontade de voltar. Quem sabe, né?
Mario adoro suas visitas ao blog. Além de escrever muito bem, você pensa muito bem. Não é a toa que escolheu a Sula...